UFMA cria plano para aumentar notas de programas
Sustentabilidade
9 de março de 2021

A Universidade Federal do Maranhão (UFMA) preparou um plano que envolve 12 programas de pós-graduação (PPGs) com notas 3 e 4 em áreas estratégicas, como Biodiversidade, Energia e Saúde. São três projetos envolvidos na iniciativa, selecionada no Programa de Desenvolvimento da Pós-Graduação (PDPG) na Amazônia Legal.

A instituição pretende promover o desenvolvimento socioeconômico e ambiental da Amazônia Legal. O Maranhão é o único estado do Nordeste que compõe a região. As metas citadas pela UFMA incluem aumento do número mestres, doutores e pós doutores, fixação de pesquisadores nas áreas de interesse do projeto e incremento das parcerias nacionais e internacionais.

Fernando Carvalho Silva, pró-reitor da Agência de Inovação, Empreendedorismo, Pesquisa, Pós-Graduação e Internacionalização da UFMA, diz que o programa da CAPES vai na linha de ações adotadas pela Universidade. “O edital complementa o Proquali (Programa de Qualidade da Pós-Graduação, Pesquisa e Inovação da UFMA), no qual damos apoio para melhorar os PPGs. O Programa fortalece ainda mais nossa proposta dentro da instituição”, afirma.

Compõem o plano da UFMA os PPGs em Biodiversidade e Conservação, Ciência da Computação, Ciência da Saúde, Ciências Sociais, Cultura e Sociedade, Desenvolvimento Socioeconômico, Energia e Ambiente, Engenharia Elétrica, Odontologia, Química, Saúde do Adulto e Saúde e Ambiente.

PDPG Amazônia Legal

O PDPG na Amazônia Legal vai incentivar o desenvolvimento dos programas de pós-graduação em áreas estratégicas na região da Amazônia Legal. Serão oferecidas 488 bolsas: 130 para mestrado, 90 para doutorado e 268 para pós-doutorado. O investimento em cada projeto será de R$627,2 mil, dos quais R$200 mil são destinados ao custeio. A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro e engloba nove estados: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins e o Maranhão.

A seleção considerou como áreas estratégicas a Biotecnologia, Biodiversidade, Conservação e Recuperação Ambiental, Saúde Pública, Doenças Tropicais e Tecnologias para o Trabalho em Saúde, Combate e Prevenção Voltados ao Enfrentamento de Epidemias, Engenharias, Tecnologia de Informação e Comunicação, Clima, Energia e Recursos Hídricos, Produção Animal e Vegetal Sustentável, e Diversidade Sociocultural, Sustentabilidade e Atividades Socioeconômicas.

Assessoria de Comunicação Social do MEC com informações da CCS/CAPES.

 

Fonte: Ministério da Educação