CAPES forma cientistas que constroem o futuro do Brasil
Notícias
novembro 8, 2021

Há 70 anos, a CAPES trabalha para formar, com excelência, especialistas nas mais diversas áreas do conhecimento. Com isso, promove o desenvolvimento científico, tecnológico e inovativo no País. A Fundação financia, hoje, 99,6 mil alunos de pós-graduação. Os estudantes recebem bolsas de pesquisa para mestrado, doutorado ou pós-doutorado, no Brasil e no exterior.

Nesta perspectiva, a CAPES celebra nesta sexta-feira, 05/11, o Dia da Ciência e Cultura. A data, criada pela Lei 5.579 de 1979, foi escolhida por ser o dia do nascimento de Rui Barbosa, importante jurista, diplomata, escritor, filólogo, jornalista e orador do século XIX. Seu objetivo é estimular a expressão cultural e a produção de conhecimento científico em todo o país.

Ao longo desta jornada, a CAPES financiou o bolsista mais jovem a concluir um doutorado no Brasil. Luan Ozelim, de apenas 22 anos, diplomou-se Doutor em Geotecnia pela Universidade de Brasília (UnB), em 2014. Os recursos da Fundação também levaram um engenheiro elétrico da Universidade Federal de Minas Gerais, Allan Fagner Cupertino, a receber este ano, pelo Institute of Electrical and Electronics Engineers (EUA),  o prêmio de autor da melhor tese do mundo sobre economia de energia.

A lista de brasileiros destacados internacionalmente que foram financiados pela CAPES é extensa. Nela se encontra Gabriel Liguori reconhecido pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT/EUA), como um dos 35 empreendedores com menos de 35 anos capazes de transformar a saúde no mundo.  Ele desenvolve órgãos e tecidos humanos em laboratório para uso em transplantes. Ainda nessa trilha estão Thaís Vasconcelos que recebeu, em 2018, a John Marsden Medal, da Linnean Society (Reino Unido), uma das mais prestigiadas condecorações no mundo da ciência para teses na área de biologia, e  Jaqueline Góes, que ajudou a sequenciar DNA da COVID-19 em apenas 48 horas, e foi a única brasileira homenageada pela Mattel no projeto Mulheres Inspiradoras, que reconhece o trabalho de cientistas no combate à pandemia.

FONTE: Assessoria de Comunicação Social do MEC com informações da CAPES